Skip to Content

Return

Dermatite Atópica Canina

Com o avanço da medicina veterinária, da nutrição e do cuidado com os pets, muitas doenças têm se tornado menos prevalentes, com os animais vivendo por mais tempo. Com isso, alguns outros problemas de saúde têm aparecido com mais frequência, como as doenças de pele, por exemplo.

 

As doenças de pele são divididas em infecciosas e alérgicas. As infecciosas são causadas por parasitas e/ou bactérias e fungos que colonizam a pele. As alérgicas são aquelas onde o próprio sistema de defesa do cão gera uma resposta desencadeando uma reação na pele. Entre as dermatites alérgicas temos a chamada dermatite atópica, e vamos falar dela a seguir.

 

AFINAL, O QUE É DERMATITE ATÓPICA

 

A dermatite atópica (chamada também de atopia) é uma inflamação crônica de fundo alérgico que atinge a pele, causando intenso prurido (coceira). Os sintomas são todos decorrentes da inflamação e da coceira, como vermelhidão, descamação, alopecia, hiperpigmentação, presença de pápulas e máculas, entre outros sinais. Secundariamente pode ocorrer a infecção da pele por bactérias, gerando a chamada piodermite. As zonas mais frequentemente afetadas são as patas, abdômen, região inguinal, coxa medial, orelhas e face. A otite externa e o prurido na orelha também são sintomas comuns. Existem casos ainda de sintomas oculares, como conjuntivite, epífora (extravasamento de lágrimas) e blefaroespasmo (contração involuntária da pálpebra).

 

O QUE CAUSA A DERMATITE ATÓPICA?

 

Basicamente, qualquer item ambiental que entre em contato pela pele do cão pode desencadear uma reação alérgica. Essa alergia vem de um processo chamado de Hipersensibilidade do tipo 1.  As reações do tipo 1 são aquelas que envolvem predisposição genética com a produção de anticorpos reagentes do tipo IgE. São reações que geralmente se iniciam após o segundo contato com o antígeno, sendo também chamadas de reações imediatas.

 

Esses alérgenos frequentemente estão no ambiente que o cão vive. Podem ser polens, bolores, sementes de plantas, debris da pele humana, penas e a poeira doméstica, a qual é constituída da mistura de resíduos de pele humana, pelos de animais, ácaros, bolores, produtos de decomposição, partículas alimentares e substâncias inorgânicas.

 

A Dermatite Atópica é considerada uma doença de predisposição genética. Os animais atópicos apresentam duas características que levam a doença: 1 – a barreira cutânea mais frágil que permite a entrada dos alérgenos do ambiente, e 2 – problemas na resposta imune que identifica erroneamente esses alérgenos como uma ameaça.

 

DIAGNÓSTICO

 

Por se tratar de uma doença que causa sintomas inespecíficos na pele, o diagnóstico só é dado após uma minuciosa investigação clínica e laboratorial pelo médico veterinário. É necessário eliminar outras possíveis causas de problemas de pele, como a infestação por ectoparasitas, a infecção por bactérias, a alergia alimentar, entre outras doenças cutâneas.

 

Após a eliminação da suspeita de outras doenças, é necessário fazer uma triagem terapêutica com o uso, por exemplo, de anti-histamínicos ou corticoides, a fim de confirmar a causa alérgica. Existem ainda testes imunológicos, intradérmicos e até sorológicos que ajudam a fechar o diagnóstico.

 

TRATAMENTO

 

Infelizmente, a Dermatite Atópica é uma doença crônica que não tem cura. O tratamento consiste em 2 partes:

 

1 – Tratar os sintomas: quando o animal chega à clínica, geralmente ele está em uma crise alérgica muito forte. O primeiro passo é reduzir a inflamação generalizada da pele e o prurido através de corticoesteroides ou anti-histamínicos, orais e/ou tópicos. Caso existam fatores complicantes, como infecções bacterianas ou fúngicas, ou infestações por ectoparasitas, será necessário trata-los também.

2 – Controlar a doença: evitar o contato do paciente com os alérgenos e melhorar a resposta imune são pontos chave do tratamento para evitar o aparecimento de novas crises.

Para evitar o contato do paciente aos alérgenos, algumas medidas devem ser adotadas: cobrir a cama dos cães, cadeiras e sofás com tecidos impermeáveis (como o vinil); manter o canil seco e limpo; manter o animal longe de grama recém cortada, folhas caídas, feno e celeiros; remover colchões das áreas em que o cão dorme para prevenir o acúmulo de poeira e facilitar a limpeza; não permitir ao cão que entre em áreas que tipicamente acumulam poeira, como armários, lavanderia e embaixo das camas e lavar roupa de cama e cobertores toda semana.

Para melhorar a resposta imune, indica-se a imunoterapia através de vacinas. O objetivo dessa terapia é aumentar a capacidade do paciente em tolerar os alérgenos ambientais sem sinais clínicos. Esse tratamento consiste em administrar sistematicamente pequenas doses subcutâneas dos alérgenos aos quais o animal é sensível. O protocolo de imunoterapia varia em cada caso e é definido após análise dos testes sorológicos e da resposta do paciente.

 

PRODUTOS DISPONÍVEIS PARA AJUDAR NO TRATAMENTO

 

A Syntec do Brasil disponibiliza alguns produtos que podem ser utilizados como parte do tratamento da Dermatite Atópica:

 

MICODINE: Formulado a base de cetoconazol e clorexidina, Micodine é um shampoo terapêutico indicado nas infecções da pele de cães e gatos causadas por fungos e bactérias, podendo ser utilizado como um coadjuvante ao tratamento inicial que visa reduzir os sintomas relacionados à infecção da pele.

 

PRESOLONA: É um anti-inflamatório à base de prednisolona. Esse fármaco é considerado o tratamento de escolha para Dermatite Atópica na fase de controle dos sinais clínicos.  O tratamento consiste em uma dose de indução durante 3 a 10 dias, ou até que os sintomas da doença estejam controlados. Após, inicia-se o protocolo de manutenção, que visa ir reduzindo a dose do medicamento gradativamente.

 

PRESOLONA se destaca por utilizar a prednisolona como princípio ativo. A prednisolona já é biologicamente ativa, diferente da prednisona que necessita de conversão hepática para se transformar em prednisolona. PRESOLONA é uma opção válida para os pacientes com doença hepática grave, que possuem dificuldades para fazer essa conversão. Além disso, certas interações medicamentosas podem afetar o metabolismo e a biodisponibilidade da prednisona. Essa característica também permite um início de ação mais rápido do medicamento.

 

 

Referências:

 

OLIVRY, T., et al. Treatment of canine atopic dermatitis: 2010 clinical practice guidelines from the International Task Force on Canine Atopic Dermatitis. Vet Dermatology. v.21, 233–248, 2010.

 

ZANON, J, P., et al. Dermatite atópica canina. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 29, n. 4, p. 905-920,. 2008