Skip to Content

Return

(Português do Brasil) Otites em Cães

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

As Otites estão entre as patologias mais comuns na rotina do Médico Veterinário Clínico de Pequenos Animais. Muitas vezes seu diagnóstico é complexo, sendo um grande desafio encontrar o agente causador, e nos casos de otites crônicas e recorrentes, encontrar e tratar os fatores perpetuantes.

 

Classificação das Otites e Agentes Causadores

As Otites podem ser classificadas de acordo com diferentes critérios. Mas talvez a classificação que seja mais útil para o clínico seja aquela baseada na localização da lesão: as Otites Externas (OE), que ocorrem no epitélio que reveste o conduto auditivo externo, e as Otites Médias (OM), que acometem o chamado ouvido médio. Em geral, a OM decorre de uma otite externa crônica que evolui com ruptura do tímpano e distribuição bilateral. Alguns autores afirmam que a OM pode ser encontrada em cerca de 82,6% dos quadros de OE canina, e relatam uma diferença nos microrganismos isolados.

 

Os microrganismos mais frequentemente isolados de OE canina são o fungo Malassezia pachydermatis e a bactéria Staphylococcus intermedius associados ou não a bastonetes Gram-negativos, embora outras espécies tenham sido descritas. Quanto à otite média (OM) canina, destacam-se S. intermedius, Streptococcus sp. e Pseudomonas sp.

 

 

Sintomas

A otite externa é caracterizada por sinais de inflamação como eritema (vermelhidão) da parte interna da orelha, edema (inchaço), ulceração na parte interna dos condutos, dor na palpação e pela presença de secreções nos ouvidos. Essas secreções podem ter um mau odor característico. O animal pode ainda apresentar um balançar de cabeça frequente, prurido, evidência de auto traumatismos (escoriações, hematoma aural, dermatite úmida aguda) e corrimento otológico.

Um estudo brasileiro mensurou a presença dos sinais clínicos mais frequentes nos animais acometidos, e encontrou as seguintes prevalências: lesões no pavilhão auricular (72%), presença de otalgia (12%) e alteração do posicionamento do pavilhão auricular (12%). No exame otoscópico, observaram-se: pontos hemorrágicos (87%), erosão no epitélio do conduto auditivo (80%) e presença de corpos estranhos no conduto auditivo (43%). Quanto à membrana timpânica, a otoscopia revelou: ruptura parcial ou total (18%) e não visualização (20%). Nos casos em que a membrana timpânica estava íntegra (62%), as alterações observadas foram: abaulamento (82,3%), hemorragia (14,5%) e espessamento (3,2%).

Uma solução completa

Cipro-Otic é uma solução completa para o problema das otites, pois possui tripla ação: é anti-inflamatório, antibacteriano e antifúngico.

Ele possui em sua formulação ciprofloxacina e clotrimazol, dois princípios ativos de ampla e rápida ação contra uma variedade de bactérias e fungos. Possui ainda valerato de betametasona, um glicocorticoide altamente potente, que proporciona alívio da dor e da inflamação, proporcionando conforto para o animal.

Além de proporcionar um rápido alívio da dor, da coceira e da irritação, sua fórmula exclusiva no mercado tem ação rápida e potente. E por possuir apresentação na forma de pomada, ele não escorre, garantindo uma melhor absorção.

 

Raças e predisposições

As raças com orelhas pendentes e com pelos abundantes, como Cockers, Basset Hound, Beagle, entre outras, são tidas como mais propensas a desenvolver os quadros de Otite. Animais mais jovens, com menos de 5 anos, também são mais acometidos.

Animais que ficam em contato constante com ambientes muito úmidos ou que nadem frequentemente, também podem estar predispostos, pois a umidade excessiva causa a maceração do estrato córneo e estimula as glândulas ceruminosas, o que pode levar ao desencadeamento do quadro.

Dicas para os proprietários

Fique atento aos sintomas: o animal coçando ou sacudindo constantemente uma ou ambas as orelhas, que evita o toque e carinho nesta região, deve ser levado ao Médico Veterinário imediatamente. Não tente realizar limpezas ou tratamentos caseiros, ou utilizar remédios sem prescrição veterinária. A maioria dos medicamentos possui ação anti-inflamatória, e por isso irá amenizar os sintomas. Mas, não necessariamente você estará tratando o fator causal corretamente. O que irá acontecer é que o caso muito provavelmente se tornará crônico e retornará com ainda mais intensidade.

Lembre-se que somente o Médico Veterinário poderá fazer um correto diagnóstico e prescrever a melhor solução para o tratamento adequado de seu animal.

 

Referências consultadas

APPELT, C. E.; CAVALCANTE, L. F. H. Malassezia pachydermatis em cães e sua susceptibilidade aos antifúngicos azóis: revisão de literatura. Veterinária em Foco, v.6 n.1 p.21-28 jul./dez. 2008.

OLIVEIRA, L.C.; BRILHANTE, R.S.N.; CUNHA, A.M.S.; CARVALHO, C.B.M. Perfil de isolamento microbiano em cães com otite média e externa associadas. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.58, n.6, p.1009-1017, 2006.

NOBRE, M.; MEIRELES, M.; GASPAR, L. F.; PEREIRA, D.; SCHRAMM, R.; SCHUCH, L. F.; SOUZA, L.; SOUZA, L. Malassezia pachydermatis e outros agentes infecciosos nas otites externas e dermatites em cães. Ciência Rural, v. 28, n. 3 , 1998.