Skip to Content

Return

As doenças de pele causadas por fungos em cães e gatos

As dermatopatias em cães e gatos representam grande parte do atendimento na clínica médica. Entre os alérgenos causadores dessas doenças, estão fungos, bactérias, parasitas, alergias, e até problemas hormonais. Veja a seguir os problemas de pele mais comuns que são causados por fungos, a Candidíase, a Criptococose e a Dermatofitose.

 

CANDIDÍASE

O que é?

 

A candidíase é uma doença causada por leveduras (fungo unicelular) do gênero Candida spp, que pode atingir diversos sistemas do animal, principalmente o tegumentar (pele). Os quadros infecciosos podem ser ocasionados por várias espécies, como: a C. albicans, a C. tropicalis e a C. parapsilosis, sendo a primeira a principal delas.

 

Essas leveduras habitam a pele, a mucosa oral, genital, respiratória, o meato acústico externo (estrutura auditiva) e o sistema digestivo. São consideradas integrantes da microbiota dos mamíferos e normalmente não provocam danos à saúde dos hospedeiros, a não ser que ocorra um desequilíbrio imunológico ou lesões nas barreiras anatômicas de proteção dos animais. Dessa forma, essas leveduras podem ser consideradas oportunistas, uma vez que causam malefícios apenas em situações específicas.

 

Patogenicidade

 

Como dissemos acima, a infecção começa a partir da imunossupressão, que favorece o crescimento desordenado das leveduras, tornando-as patogênicas. Nesse caso, a imunossupressão pode estar associada a diversos fatores, como: idade, estresse, presença de doenças imunomediadas, desordens neoplásicas e uso prolongado de corticosteroides, de antibióticos ou de citostáticos (fármacos que inibem a reprodução ou o crescimento de células indesejadas).

 

Sinais clínicos

 

A candidíase afeta as mucosas, as junções mucocutâneas e diferentes partes da pele, como a pele abdominal, a pele do saco escrotal, o períneo, as dobras ungueais (estrutura das unhas), narinas, orelhas, planos nasais e dobras cutâneas (espaços interdigitais). Em casos mais graves, as leveduras desse gênero podem atingir o trato urinário, o sistema gastrintestinal e o sistema reprodutor. No entanto, as infecções nesses sistemas são raras.

 

Dessa forma, os sinais dermatológicos mais frequentes são: erosões úmidas e eritematosas (vermelhas), com contorno irregular e levemente edemaciadas, vesículas, crostas, úlceras, pápulas, pústulas e lesões alopécicas (caracterizadas por possuir pouca ou nenhuma pelagem em determinada área).

 

Em casos de otite podemos observar a presença de inflamação, dor, descamação, coceira e edema.

 

Diagnóstico

 

O diagnóstico é feito por meio do exame físico (análise dos sinais clínicos) e de exames laboratoriais. Esfregaços direto das lesões são necessários para confecção de lâminas para análise microscópica. Para confirmação do agente etiológico é necessário o isolamento em cultura.

 

CRIPTOCOCOSE

O que é?

 

A Criptococose é uma enfermidade infecciosa sistêmica causada pelo fungo Cryptococcus neoformans, que está presente no solo e nos dejetos de aves contaminadas. Essa espécie de levedura é considerada oportunista por causar infecções apenas em seres que estão imunossuprimidos. Normalmente acomete mamíferos domésticos, como os cães e gatos e é vista com maior frequência em regiões geográficas de clima quente e úmido. No caso dos gatos, que são os animais mais acometidos, a queda da imunidade está frequentemente relacionada ao uso exagerado de medicamentos (corticosteroides) e a doenças infecciosas, a exemplo da FeLV e do linfossarcoma.

 

Transmissão

 

A transmissão dessa levedura acontece por meio da inalação dos esporos presentes no ambiente. Quando inalados, causam a chamada infecção primária, que afeta as narinas e os pulmões. Em seguida, ocorre a disseminação sistêmica por via hematógena ou linfática, chegando em outros sistemas do organismo, como o tegumentar e o nervoso.

 

Sinais clínicos

 

Os sinais clínicos mais comuns são: presença de pápulas, pústulas, vesículas, úlceras e nódulos. Na maioria dos casos, as lesões estão localizadas na cabeça (narina, lábios, língua, palato, gengiva) e nas regiões próximas ao pescoço.

 

Diagnóstico

 

A Criptococose é uma das micoses mais fáceis de ser diagnosticada pelo fato de possuir muitos elementos fúngicos nas lesões. O diagnóstico consiste no exame físico e na identificação das leveduras por meio do esfregaço e da análise em microscópio com auxílio da tinta nanquim. Posteriormente os microrganismos também podem ser cultivados em ágar de Sabouraud a 25°C – 35°C para a confirmação da doença.

 

DERMATOFITOSE

 

 O que é?

 

A Dermatofitose é uma das enfermidades cutâneas mais importantes na clínica veterinária de pequenos animais por ser muito contagiosa e por ser considerada uma zoonose (transmitida do animal para o homem e do homem para o animal) de difícil tratamento. A doença é causada por um grupo de fungos queratinofílicos (que se nutrem através da ingestão de queratina) denominados de dermatófito. Esses tornam-se potencialmente patogênicos apenas em circunstâncias de imunodepressão.

 

Transmissão

 

A transmissão acontece através do contato direto com os esporos dos fungos. Estes microrganismos podem estar presentes nos animais (pelos), no ambiente e em fômites, como em escovas, pentes ou camas. É importante destacar que os dermatófitos são bastante resistentes ao ambiente e que alguns animais assintomáticos também poder ser uma fonte de infecção.

 

Sinais clínicos

 

Os sinais clínicos da Dermatofitose variam de acordo com cada animal, mas na maioria dos casos o prurido (coceira) é moderado ou ausente. Na pele é possível notar a presença de crostas, escamas e alopecia circular (queda de pelo em regiões focais) expansiva e descamativa, unhas fragmentadas e pelos partidos. As lesões normalmente estão localizadas nas extremidades e na região da cabeça. Ocasionalmente os gatos apresentam uma dermatite com numerosas crostas de pequenas dimensões e otite ceruminosa.

 

Diagnóstico

 

Um dos possíveis métodos de diagnóstico é o exame microscópico das estruturas queratinizadas, que mostram as hifas dos fungos. Para tal finalidade, pelos partidos, escamas de lesões ativas e fragmentos de unhas devem ser examinados em óleo mineral. Se for preciso confirmar o diagnóstico, é indicado fazer uma cultura fúngica através do Meio de Teste de Dermatófitos (DTM).

 

MALASSEZIOSE

 

O que é?

 

A Malassezia spp. é um fungo que habita a pele de cães e gatos. Quando se proliferam em excesso no sistema tegumentar ou no canal externo do ouvido, podem agir como patógenos, causando inflamação dos tecidos. Existem diversas espécies desse gênero, e a M. Pachydermatis é encontrada com grande frequência nos exames clínicos.

 

Patogenia

 

A malasseziose é o termo utilizado para caracterizar as dermatites causadas pelo aumento populacional da Malassezia spp. Esse aumento populacional normalmente está relacionado com algumas doenças primárias, como as endócrinas, imunológicas ou parasitárias, que afetam o sistema imune do animal e a pele do animal

Dessa forma, podemos classificar a malasseziose como primária ou secundária. A malasseziose primária, menos frequente, acontece quando o animal não possui nenhuma alteração dermatológica, e após a proliferação do agente começa apresentar sintomas característicos da doença. Embora essas leveduras sejam consideradas oportunistas, elas também possuem capacidade de causar inflamações e reações de hipersensibilidade devido ao fato de produzir metabólitos nocivos e enzimas como as fosfolipases e proteinases.

Já a malasseziose secundária, mais frequente, ocorre quando o animal possui alguma enfermidade na pele, que predispõe a proliferação da Malassezia spp com maior facilidade. Nesse caso, a dermatite é agravada por consequência da multiplicação exacerbada desses patógenos que alteram ainda mais as funções de proteção da barreira cutânea, causando o aumento das lesões já existentes.

 

Sinais Clínicos

 

As lesões primárias de dermatite por Malassezia spp. são caracterizadas pela presença de prurido. Já as lesões secundárias apresentam eritema (vermelhidão da pele), alopecia (queda de pelos), escoriações, liqueinificação (alteração da espessura da pele, que fica mais espessa e rígida) e hiperpigmentação.  Na maioria dos casos, as regiões mais acometidas são: ouvido, pescoço, axilar, intertriginosa (dobras) e espaços interdigitais.

Quando esses microrganismos atingem a região do canal externo do ouvido podem causar a otite. Os sinais mais comuns são dor, produção excessiva de cerúmen e o ato de balançar a cabeça repetidamente.

 

Diagnóstico

 

A maior dificuldade no diagnóstico dessa enfermidade é a quantificação, uma vez que a presença desse fungo na pele é comum quando não há excesso. Entretanto, técnicas como citologia (por meio de raspado cutâneo, suabes de algodão ou fita adesiva transparente), histologia e cultivo são as mais indicadas.

 

TRATAMENTO

 

Os tratamentos das quatro enfermidades citadas são bastante semelhantes. Em todos os casos é indicado uma terapia com medicamentos antifúngicos sistêmicos e/ou tópicos, higienização das áreas afetadas, utilização de elizabetano (colar) para reduzir as lambidas e as mordeduras nas feridas, banhos terapêuticos e se necessário, o uso de antibióticos em caso de infecções secundárias causadas por bactérias. No caso da Criptococose, pode ser necessário alguma excisão cirúrgica dependendo da situação.

 

Prevenção

 

A prevenção é fundamental para evitar o aparecimento dessas enfermidades. Como vimos acima, a principal causa das doenças citadas é a imunossupressão. Portanto, é recomendado uma série de medidas para manter o estado imunológico do pet em boas condições. Dentre todas as medidas, podemos destacar o fornecimento de uma nutrição de qualidade, visitas periódicas ao médico veterinário e a redução do estresse através da prática de exercícios físicos regularmente, medidas de bem-estar no ambiente que o animal vive, além de não gerar situações que causem medo ou ansiedade. Doenças de base podem causar queda da eficiência do sistema imunológico, por isso é fundamental tratar adequadamente qualquer problema de saúde que o animal apresente.

Em casos específicos como da Criptococose, é indicado fazer a higienização dos locais em que o animal passa o dia e evitar o possível contato com aves.

Dessa forma, a prevenção possui grande importância no combate a essas doenças. Além de evitar prejuízos financeiros aos tutores com o tratamento, garante uma boa qualidade de vida aos pets.

 

PRODUTOS DISPONÍVEIS PARA AJUDAR NO TRATAMENTO

 

A Syntec do Brasil disponibiliza alguns produtos que podem ser utilizados como parte do tratamento de infecções fúngicas.

 

MICODINE: formulado à base de cetoconazol e clorexidina, Micodine é um shampoo terapêutico indicado nas infecções da pele de cães e gatos causadas por fungos e bactérias, podendo ser utilizado como um coadjuvante ao tratamento inicial que visa reduzir os sintomas relacionados à infecção da pele.

 

CIPRO-OTIC: uma solução completa para o problema das otites, pois possui tripla ação: é anti-inflamatório, antibacteriano e antifúngico. Ele possui em sua formulação ciprofloxacina e clotrimazol, dois princípios ativos de ampla e rápida ação contra uma variedade de bactérias e fungos. Possui ainda valerato de betametasona, um glicocorticoide altamente potente, que proporciona alívio da dor e da inflamação, proporcionando conforto para o animal.

 

Além de proporcionar um rápido alívio da dor, da coceira e da irritação, sua fórmula exclusiva no mercado tem ação rápida e potente. E por possuir apresentação na forma de pomada, ele não escorre, garantindo uma melhor absorção.

 

Bibliografia

 

LINZMEIER, G. L.; ENDO, R. M.; LOT, R. F. E. Otite Externa. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária. Periódicos Semestral. N.12, Ano VII. Janeiro de 2009.

 

MACHADO, M. L. S. Malassezia spp. na pele de cães: frequência, densidade populacional, sinais clínicos, identificação molecular e atividade fosfolipásica. Tese de doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Faculdade de Veterinária – Programa de Pós-Graduação. Porto Alegre, 2010.

 

GROSS, T. L. et al. Skin Diseases of The Dog and Cat: Clinical and Histopathologic Diagnosis. Second Edition. Editora BlackWell Publishing, 2005.

 

WILLEMSE, T. Dermatologia clínica de cães e gatos. 2ª edição. Editora Manole LTDA, 1988.